terça-feira, 11 de outubro de 2011

Ciúme de irmão - by Roberta Groba



Olá queridos leitores, hoje vou falar sobre algo que estou vivenciando dentro da minha própria casa.
Durante 6 anos, minha filha Maria Clara reinou absoluta dentro de casa apesar de sempre pedir um irmãozinho. Pois bem, finalmente atendemos seu pedido o que a deixou muito feliz e orgulhosa. A euforia foi tanta que até a professora da escola veio comentar comigo.
Até então tudo tranquilo, a barriga foi crescendo e as dúvidas começaram a aparecer na pequena cabecinha dela. Sempre me perguntava como seria, onde ela ficaria quando eu fosse para o hospital, se eu iria dar mais atenção a irmã do que a ela, etc... Fui contornando a situação, respondendo a tudo com calma e tranquilidade para que ela visse que tudo continuaria igual mas no fundo eu também me sentia apreensiva em relação a ela. Como ela iria se portar quando a irmã estivesse conosco em casa!!
Sempre procurei dar o máximo de atenção até mesmo durante a gravidez para passar confiança, e para que ela sentisse o quanto a presença dela me ajudando seria importante.
Enfim passaram os nove meses e chegou o grande dia!! Maria Clara estava empolgadíssima e foi conosco para o hospital, onde esperou ansiosamente ao lado da vovó pela nossa chegada no quarto.
Desde o primeiro momento percebi o quanto ela estava feliz de poder estar ali e ver a irmãzinha de perto. No caminho para casa veio a surpresa, ela me disse que tinha muito medo daquele dia mas que tudo estava sendo ótimo e ela achava que seria pior!! E que ela estava muito feliz e não se sentia ameaçada pela irmã!!!
Fiquei pasma com a maturidade....mas muuuuuito feliz.
O tempo foi passando, a rotina de casa voltando ao normal e aí vieram as cobranças. Falta tempo para mim, mãe faz isso para mim, mãe me ajuda aqui.
No começo achei que era uma fase, mas logo percebi que o CIÚME finalmente estava surgindo. Comecei a pensar o que estava errado para ela ter ciúme só agora.
Mas a verdade é que ciúme não tem idade e pode aparecer a qualquer hora, basta um incentivo; e aqui acabei encontrando esse incentivo. Hoje a Marina com 1 ano e 7 meses já dsiputa as coisas com a irmã.
Como por exemplo, a minha atenção, o meu abraço, ela já é capaz de se defender e empurrar a irmã para longe. E acho que aí mora o perigo se a gente não perceber a tempo.
Aquela menina madura que achava que as coisas seriam piores hoje quer "colinho de mãe" mais vezes, quer um abraço apertado, quer sentar para ver filme com a mamãe, quer ouvir estórias antes de dormir....
E tenho tentado equilibrar as coisas para que elas possam crescer amigas e não disputando as coisas por causa de ciúmes, apesar de ser uma coisa natural entre irmãos.

Vejam o que fala a psicóloga Míria:
"Ciúme entre irmãos

A psicóloga Míria Ribeiro ensina como os pais devem lidar com esta situação.

O ciúme entre irmãos é sempre tema de reclamação para muitos pais. Ele surge por volta dos 4 anos, quando a criança começa a perceber os "outros" como rivais. É possível aparecer antes em alguns casos, mas é especialmente nesta idade que o sentimento fica mais aflorado. Na família, a rivalidade entre os irmãos para conseguir o carinho e a atenção dos pais é a causa mais freqüente dos ciúmes. Com a redução do número de filhos nas famílias, as crianças têm mais dificuldades em dividir, compartilhar o afeto e os cuidados dos familiares. Antigamente, filho único era uma anormalidade nos lares. No século 21, no entanto, aumenta a frequência de lares com apenas um rebento. Isso tornou-se praticamente regra entre casais com rendimento mensal acima de cinco salários mínimos, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Mas este sentimento é tão ruim assim? Por que algumas crianças ficam tão ciumentas diante da chegada de um novo membro na família? Como lidar com esta situação? Em entrevista ao portal Elnet, a psicóloga Míria Ribeiro Neto e autora do livro Mulheres Têm Medo De Quê ? ( da MK Editora) falou sobre o assunto.

O que é ciúme?

"Na verdade, o ciúme é uma idéia de posse equivocada, de exclusividade e de insegurança. Eu quero que seja só meu e fico inseguro quando alguém chega para compartilhar aquilo que acredito ser exclusivo para mim. Esta frase retrata bem o sentimento que norteia a 'cabecinha' das crianças", afirma Míria. "Quando chega um novo membro na família, o filho sente que o mundo inteiro move seu centro para outro ponto que já não é ele. Perguntas como Eu vou continuar sendo admirado? Será que vão continuar gostando de mim? fazem parte do cotidiano do pequenino", fala a especialista.

"É um sentimento natural que acontece em todas as famílias, não há como impedir", enfatiza a psicóloga. "O que pode ser feito é conscientizar a criança de que o irmão não veio para tomar o seu lugar. A presença dele é para compartilhar e também somar". Mesmo assim, o ciúme acaba sendo inevitável, segundo a especialista. "Pode até ser amenizado e dominado, mas sempre vai existir. Isso porque os filhos estão compartilhando das mesmas pessoas, que são o pai, a mãe, avós, tios, enfim, toda a parentela", diz Míria Ribeiro.

Em famílias saudáveis, os pais têm que mostrar aos filhos que eles continuam sendo amados e queridos. Eventualmente, quando o ciúme for demonstrado na prática, é preciso sentar, conversar com eles e fazê-los entender que o irmão chegou para adicionar. Passar a idéia de que não há supervalorização de um ou outro, mas que os dois são importantes.

O que o ciúme pode provocar

De acorco com a psicóloga costumam aparecer condutas regressivas, como voltar a fazer xixi na cama, chupar o dedo, não querer comer sozinho, utilizar uma linguagem ou tom de voz infantis. Através desses comportamentos, a criança pretende chamar a atenção das pessoas cujo afeto teme ter perdido. Segundo Míria, o filho confunde cuidado com amor. Ele não entende que já é auto-suficiente e, inconscientemente, age assim para também ter mais “amor” dos pais.

"Outro fato bastante comum é a agressão para com o irmão mais novo. Esta agressividade pode aparecer de forma mais ou menos dissimulada: às vezes a criança ignora o irmão ou nega sua presença. Em outras ocasiões, pode mostrar condutas muito hostis e agressivas ou excessivamente carinhosas por seu rival", explica. Para a psicóloga Míria Ribeiro, esta é a forma que crianças e adultos imaturos encontram para resolver seus conflitos, pois se acham abandonadas. "Tudo isso é para chamar a atenção. Nessas horas, a criança precisa ser duplamente querida e amada", afirma Míria. Porém, o que acontece, muitas vezes, é que a família fica encantada com o recém-nascido, esquecendo o mais velho e relegando-o ao lugar do "príncipe destronado". "Se não houver equilíbrio entre a criança que chegou e o irmão mais velho, vai haver conflitos", adverte Míria. Ela acrescenta que, às vezes, confunde-se ciúme com carência. "Está carente por não estarem dando atenção suficiente a ela", comenta.

Os favoritismos e preferências que os pais manifestam, freqüentemente de forma inconsciente, por um dos filhos, pode dar origem ao ressentimento entre os irmãos. Do mesmo modo que o incentivo, a competição excessiva entre eles pode favorecer a aparição de ciúmes. “O perigo está justamente aí: a criança se ressente e começa a sentir rancor pelo irmão, resultando em brigas. Nesses casos, os familiares precisam prestar atenção e não desqualificar a situação. A psicóloga lembra o caso de Absalão e Amnom relatado em 2 Samuel 13.28. “Davi negligenciou a briga dos dois irmãos, não deu muita importância ao caso, e Absalão mandou matar Amnom por causa do ciúme. Houve homicídio. Daí a necessidade da observação para não haver atitudes mais drásticas", alerta Míria.

A psicóloga dá dicas de como os pais devem lidar com esta situação:

•Demonstrem amor, afeto e carinho não só falando, mas também na prática;

•Mantenham a rotina anterior ao nascimento do irmão;

•Destaquem as qualidades do seu filho. É importante para sua auto-estima;

•Ressaltem a importância de ser mais velho;

•Não façam comparações;

•Não permitam que ele se sinta abandonado com a chegada do irmão.

Afinal, filhos são sempre muito amados, independentemente da idade que têm, conclui Míria. "

É importante nossos filhos saberem que não existe diferença entre eles no coração da mãe!!!!
E você tem irmãos? Como foi seu relacionamento com eles, rolou muito ciúme? Conte para gente sua experiência e como isso influencia na criação do seu filho ou filhos.


Até a próxima.

3 comentários:

  1. Minha mãe fala que quanto menor a diferença de idade, menos ciúme a gente sente. Eu e a Lu temos só 1 ano e meio de diferença, então a gente nunca teve ciúme uma da outra, não deu nem tempo hehehe
    Ótimo post!!!!
    Beijos!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Bem , tenho 3 filhos com pouca diferença de idade, do primeiro para o segundo não houve ciumes, foi muito calmo, porem quando chegou a menina, o ciumes do segundo foi bem aparente, embora hoje esteja mais controlado, o que me chamou a tenção foi uma frase falando que quando eles tem ciumes uma das características é o carinho excessivo para com o outro e é exatamente isso que meu filho faz, fica o tempo todo agarrando a irmã, uma forma de chamar a atenção, eu tenho dois irmãos e confesso morri de ciumes com a chegada deles, nossa diferença é de 5 pra minha irmã e de 15 pro meu irmão, um abraço, e bom feriado

    ResponderExcluir
  3. eu me lembro bem pouco, mas eu tinha um pouco de ciumes de meu irmão, até hoje tenho um pouco pois acho que mainha paparica mais ele!!kkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...