terça-feira, 30 de agosto de 2011

As crianças e a prática de esportes - by Roberta Groba

                                       

Oi, hoje vou contar uma estória minha e que pode ajudar na decisão sobre quando iniciar os pequenos nos esportes.
Venho de uma família de atletas; minha avó paterna foi campeã de natação pelo Fluminense, foi campeã SulAmericana, esteve em duas olimpíadas há muitos anos atrás e meu pai fez ginástica olímpica, foi nadador, praticou saltos ornamentais. Meus tios foram jogadores de pólo aquático, minha tia nadou.... e por aí vai.
Tinha tudo para ser atleta, seguir os passos da família... Mas não foi bem assim que aconteceu!!
Fiz natação por muito tempo, mas como usava óculos não me sentia a vontade, era muito chato nadar sem enxergar nada e sendo criança então dá para imaginar.

Porém meu pai sempre achou que devia continuar praticando esportes, e me levou para ginástica olímpica, outro erro, e ainda passei por saltos ornamentais. E essa luta seguiu até a adolescência, simplesmente não gostava daqueles esportes e me sentia obrigada a praticar (péssima escolha dos pais - forçar jamais!!!)
Até que um dia conheci o montanhismo, aquela aventura gostosa de escalar montanhas e conhecer lugares incríveis e de repente PLIM!!!, aconteceu tinha meu esporte para praticar e por vontade própria sem pressão. Daí tirei a lição para a vida e para a educação das minhas filhas.
E assim tem sido por aqui. A Maria Clara ainda não tem um esporte predileto apesar de ter amado fazer judô na escola. Ela pede para fazer natação e já estou procurando um lugar bom. Só sei que ela odiou ballet!!!

Acho o mais importante a criança escolher o que quer fazer - se não houver restrição - vejo pais por aí colocando a criança para fazer atividade física sem a criança querer e não acho isso produtivo. O interesse maior deve partir da criança, claro que quando pequenos, como a maioria dos nossos, não podem escolher mas cabe aos pais observarem se a atividade está sendo prazerosa para a criança, se ela vai alegre, se sai feliz da aulinha.

Esportes ou atividade física? Ela precisa se movimentar para ser saudável. Brincar, correr, jogar bola com os amigos. E existe uma diferença significativa.  O primeiro significa práticas sistematizadas, como as aulas de futebol, natação, etc. A segunda é a brincadeira de bola, com regras e tempo estabelecidos pelas crianças. As crianças estão sendo matriculadas desde muito cedo nessas aulas e o resultado: crianças desmotivadas. Pesquisa da Sociedade Brasileira para o Desenvolvimento da Educação Física mostra que um em cada quatro meninos abandona o esporte antes dos 12 anos. Entre as meninas, esse número é de uma em cada três. O fracasso contribue bastante para esse abandono. No final de semana, aproveite e vá jogar bola no parque com as crianas. Estudos demonstram que as brincadeiras em família são as práticas esportivas mais motivadoras.

O Esporte coletivo é um meio de aprender sobre nossos limites corporais e sobre como nos relacionar com os limites do outro.
                                            

Falando tecnicamente!
O Esporte, como conceito, é considerado uma atividade metódica e regular, que associa resultados concretos referentes à anatomia dos gestos e à mobilidade dos indivíduos. Esta é a conotação que podemos chamar de “Esporte de alto nível”, veiculada nas mídias em geral, representada por pessoas executando gestos extremamente mecanizados, uniformes, com um certo gasto de energia para produzir um determinado tipo de movimento repetidas vezes. São gestos plásticos, muito organizados, moldados e com muitas regras, para que se possa obter algum resultado prático. O Esporte pode ser encarado, dentro de outras ópticas, tanto como o Esporte veiculado nas mídias, como uma atividade dentro de um grupo de amigos (na escola, na rua ou qualquer local).

Existem outros conceitos de Esporte, em que se consideram como um componente dos blocos de conteúdos da Educação Física escolar, isto é, a Educação Física nas escolas possui alguns conteúdos, tais como a Dança, os Jogos, as Lutas, as Brincadeiras, e o Esporte é um destes. É na escola que a conotação de Esporte deve ser diferente do Esporte de alto nível, apesar de alguns professores de Educação Física insistirem em alto rendimento. Felizmente este modelo vem modificando-se, aos poucos. Assim, a idéia que se tem de Esporte é muito ampla, o que permite uma variedade de conceitos. Dependendo do conceito e do entendimento, Esporte pode estar ou não veiculado à Saúde.

As crianças têm limites especiais que precisam ser respeitados.

Ainda sobre os excessos além dos limites do corpo, está o que chamamos de “Especialização Motora Precoce” ou “Inadequação no Movimento ao Nível Desenvolvimental do Praticante”. São as Escolinhas de Esporte para crianças (como as Escolinhas de Futebol, por exemplo) que ensinam como se estas fossem adultos, esquecendo que seus limites físicos e motores são muito maiores. Nesta idade, deveriam somente ensinar os movimentos que lhes são possíveis, deixando a especialização no Esporte de alto nível para depois, quando desenvolverão sua habilidade motora. Para as crianças de 8 até 12 anos o que deve ser praticado está muito distante do Jogo profissional em si – apenas mobilidades precursoras. Além do corpo não compreender o movimento se não estiver bem desenvolvido, existem pesquisas comprovando que devemos primeiro desenvolver nossa base motora para em seguida decidir o que fazer com ela. Isto é, na infância devemos desenvolver nosso nível de movimentos em uma grande amplitude de ações (genéricas) para só depois podermos decidir os esportes a praticar (em uma especialização do movimento). Podemos ver que no Vôlei, por exemplo, os jogadores que se destacam hoje são aqueles que sabem atuar bem em diversas posições, levantamento, bloqueio, saque, corte, enquanto que antigamente o bom jogador era especialista em uma só posição. O atual jogador de vôlei aprende inicialmente os lances mais gerais e só mais tarde escolhe a posição que melhor lhe convém, assim já aprendeu mais do esporte e desenvolveu mais amplamente sua coordenação motora para o mesmo. Além disso, a especialização prematura pode acarretar lesões (no joelho, ombro, cotovelo, etc – e não há maneira de se compensar o corpo depois de lesionado), o que ocasiona uma curta vida no Esporte, tendo que abandonar mais cedo a atividade.

Os benefícios do esporte infantil para a saúde física e mental das crianças. Se você criar o hábito em seu filho na prática de esportes desde a primeira infância, pode ser que economize problemas quando a criança entrar na fase da adolescência. O esporte ajuda as crianças a desenvolver-se física e mentalmente, a viverem saudáveis, e a relacionar-se de uma forma sadia com outras crianças. Estar em forma é estar são.

Não podemos nos esquecer que os mais pequenos devem fazer exercícios em que se divirtam. Desta forma, se notará uma melhora na sua auto-estima e a perda de algum medo que possa existir. O esporte não só é bom para a saúde física da criança, como também para a sua saúde mental. A prática esportiva a ajudará a ter mais confiança em si mesma, a relacionar-se melhor com os demais, inclusive a superar alguma enfermidade como a asma.

Diante de tudo isso percebo que o mais importante é mesmo usar o bom senso. Pergunte ao pediatra do seu filho qual o esporte ou atividade física mais indicada para seu pequeno e divirta-se muito com suas peripécias.

3 comentários:

  1. Amiga, amei o post. Eu amo natação, sempre gostei e hoje só não faço mais por causa da miopia também hehehe
    FH já faz natação na escolinha e pretendo mantê-lo, porque ele ama água. Acho que ele vai gostar muito de natação no futuro. Pretendo incentivar mesmo a prática de esportes, não pela competição em si, mas por combinar com um estilo de vida saudável.
    Beijos!!!!

    ResponderExcluir
  2. Acho a prática de atividade física importante sim, eu fazia natação e balé quando era criança. Pretendo colocar meus filhos em alguma atividade sim. Natação é uma delas, acho muito necessário pra saber nadar e não se afogar, além dos benefícios que ela traz.

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito das dicas RO...aqui, os meninos pularam de esporte em esporte até descobrirem o "seu esporte" predileto...Luiz Paulo ama karatê e o Victor até hj ainda não descobriu o seu favorito, mas está sempre em alguma atividade, agora está na fase de musculação, mas já fez de tudo um pouco...e eu gastei foi dinheiro com uniformes, bolas, prancha de surf e etc e ele logo desistia do esporte escolhido...rsrsrs vamos ver se Manú vai gostar de balé??? hehehehe bjs bjs

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...