sexta-feira, 1 de julho de 2011

E quando desperta a leoa mãe, como agir? - Anne

Olá queridas leitoras,

Hoje irei levantar um assunto que foi vivido por mim nessa última semana, quando a leoa mãe despertou pela primeira vez aqui em casa. Fomos a uma festa junina, tudo andava muito bem, Biel dançando forró, uma graça, se divertindo mesmo, como lá tinha um parque na parte interna resolvi “inventar” de levar ele lá pra brincar, pois bem, estávamos na fila do pula pula e o garotinho que estava pulando, sempre renovava a vez e Biel foi ficando agoniado coma  situação, foi quando a mãe do menino disse que eu poderia colocar meu filho junto com o seu, afinal até no mesmo dia tinham nascido, colocamos o Gabriel junto com o garotinho e em menos de 2 minutos o estrago estava feito, e meu desespero começava.

Meu filho levou uma mordida na bochecha muito violenta, meu marido logo o socorreu e quando vi sua cara fiquei mais nervosa ainda, todos que estavam em volta faziam cara de espanto e eu não conseguia ver meu filho, que agonia, eu gritava, articulava, mas não me lembro exatamente o que falava, foi tudo muito rápido, num piscar de olhos, meu filho caiu deitado na cama elástica e o garotinho se jogou em cima e simplesmente não largava a bochecha do meu filho, ele mordia de uma forma muito violenta, esse foi o agravante, não soltava a bochecha do meu filho por nada.

Hoje, passados alguns dias, o hematoma está bem melhor e tudo segue bem, mas confesso que na hora do ocorrido foi complicado demais, primeiro porque me senti culpada por ter levado ele ao parquinho e segundo porque ele estava tão feliz naquela noite e acabou que ficou tão sentido e magoado, ele chorava de soluçar.

Sei que ainda enfrentarei muitas situações semelhantes ao longo da primeira infância do meu filho, mas acho que nunca vou me conformar em ver meu filho sofrer uma agressão tão injusta como essa, ele não teve o mínimo direito de defesa, ok, pode ser exagero, até pode, mas no calor da situação eu me controlei para não pular no pescoço daquele mãe inconsequente que sabendo que seu filho “sempre morde amiguinhos” não me alertou, só depois do ocorrido, enfim, essa foi minha vontade, vontade de colcar o Gabriel em meus braços e mostrar minhas garras para o menininho, olhem isso...para uma criança da mesma idade do meu filho, que horror e ao mesmo tempo tão sincera essa vontade. Nunca imaginei que fosse ter vontade de protegê-lo como uma leoa protege seus filhotes, ai está, mais uma experiência que só sendo mãe podemos vivenciar.

Diante do ocorrido, resolvi dar uma pesquisada em porque situações como essas são comuns na primeira infância e descobri que provavelmente eu ainda irei passar por situações muito parecidas com meu pequeno.

Experimentando o mundo... Com a boca!

A criança se desenvolve principalmente pela inter-relação com as outras pessoas. Uma de suas principais fontes de aprendizagem é o exemplo e, desta forma, quando começam a conviver em grupo influenciam-se mutuamente. Então, você pode se perguntar: e as crianças que nunca viram ou receberam uma mordidinha? Fazem isso por ruindade?

De jeito nenhum! Os pequenos não têm intencionalidade, isto é, não planejam o que estão fazendo e geralmente vivem uma fase em que passam tudo o que podem das mãos para a boca, experimentando o mundo por meio dos vários sentidos. E essa descoberta inclui, também, o "morder". 


O ato torna-se mais presente - e indesejado - quando eles começam a participar de um grupo e se deparam com outros significados desta atitude, além da exploração do ambiente. A mordida recebe uma carga negativa que, de acordo com o encaminhamento, pode se transferir para a criança, que corre o risco de ser malvista. Ela precisa, sim, saber que não pode machucar o outro, no entanto depende da intervenção dos adultos para aprender essa "lição".

Agindo por impulso

É preciso ressaltar que os menores ainda não conseguem dominar suas emoções e, por isso, reagem impulsivamente a algo que os incomoda. Eles agridem ou tratam bem com a mesma naturalidade.

Nossa experiência tem mostrado que existem situações desencadeadoras da mordida, ou ainda do empurrão ou do tapa: acontece quando a criança percebe que outra quer pegar o seu brinquedo, sentar-se em sua cadeira, abraçar a professora, pegar o seu lugar na roda, escorregar primeiro, comer o seu chocolate e por aí vai....

O jeito é ficarmos atentos, sempre alertas e reprimir sempre qualquer ato que seu pequeno pratique e que você entenda ser um ato que deve ser repreendido.

E você, já teve vontade de agir como uma leoa em defesa de seu pequeno? Conte para a gente!

Um bom fim de semana para todos queridos leitores.

Fonte:


 * Lindiane Moretti e Renata de Oliveira Lindiane Moretti é professora de Educação Infantil. Renata de Oliveira é orientadora educacional da Play Pen / Escola Cidade Jardim, em São Paulo.

7 comentários:

  1. Anne eu sei bem ou pleo menos quase o que vc sentiu neste ocorrido ... eu vi que tudo tem explicação (e que os pequeninos são inocentes) mas e os pais ? até que ponto ou até quando os pais vão dizer "ah ele não entende ainda" (quando se deve corrigir um pequenino) .... vou te contar um pouco de como estas coisas acontecem comigo .... minha filha tem uma prima de 1º grau por parte do pai e que sempre que nos encontramos (na casa da minha sogra) ela empurra minha filha .... toma toda e qualquer coisa da mãe da minha filha ..... ela aponta o dedo e fala NÃO CANTA, NÃO FALA, (só falta falar não respira), a menina ainda chora e chora e chora como se fosse a vitima das vitimas .... até entendo que é fase e que já já passa (assim espero) massss eis que em um dia tipico deste ai sitado minha sogra surge pega a menina no colo e fala em alto e bom tom (fala pra ela filha é tudo meu não mexe) COMO ASSIM ?! fiquei chocada ... chateada .... e nada fiz .... mas ai eu te pergunto (que filhos são estes que alguns pais/ avós/ babas estão criando) até que ponto a minha filha ainda tem 1 ano e por isso ela pode arrancar os brinquedo das mãos dos primos ... amanha ela vai ter 2 anos e depois 15 ....

    DESCULPA TODO ESTE DESABAFO DE MÃE LEOA MASSS É QUE ESTE CANTINHO DE VOCÊS É TÃO QUERIDO QUE ME SINTO AS VEZES FALANDO COM VARIAS PSICOLOGAS rsrsrsrsrs

    O Gabriel É LINDÃO !!!!

    beijoss e bom final de semana ...

    ResponderExcluir
  2. Outro dia a RoLopes colocou um vídeo pra gente ver de uma professora que dizia exatamente isso: que são fases. Mas que nem por isso podemos deixar pra lá. A hora de educar é agora. Esses dias eu estava brincando com o FH e teve uma hora que ele ficou tão feliz e empolgado que me deu uma mordida. Na mesma hora fiquei séria e falei pra ele não morder, que aquilo não era carinho. Nessa idade eles não sabem se expressar direito e acham que morder, bater também é carinho. Cabe aos pais demonstrar o contrário.
    Beijos Anne!

    ResponderExcluir
  3. Gente, deve ter sido horrível, tadinho!! Mas sei bem como essa reação do sangue ferver quando você sua "cria" sendo machucada ainda que por um amiguinho da mesma idade!!
    Sophia nunca foi mordida, mas quando tinha 1 aninho, um vizinho nosso de 2 aninhos vivia empurrando ela, o que me chateava é que a mãe fingia que não via, porque ela mesmo já não sabia mais o que fazer pro filho parar de empurrar. Isso me chateou, afinal, a mãe é quem deveria falar com ele e ensinar. Mas também sei que a gente ensina, ensina e parece que eles só aprendem quando quererm!! Hoje vejo Sophia empurrando amiguinhos menores, mas não deixo, falo sério com ela e tiro de perto, a gente precisa mostrar pra eles o que pode e o que não pode!!
    Beijocas,
    Aretusa, mamãe da Doce Sophia

    ResponderExcluir
  4. É ainda não tive uma situação dessas mas acho que viraria leoa com certeza e até acabaria discutindo com a tal mãe. Por mais que eu seja professora de Educação Infantil, entenda que faz parte do desenvolvimento da criança, podemos sim ensinar a eles desde muito cedo que não é correto morder.
    Aqui em casa, Gaby já me deu algumas mordidas e na hora a repreendi, disse que não era legal aquilo e que tinha doido, mamãe estava chateada e tal. Teve também alguns episódios de tapas e rolou a mesma conversa. Hoje ela não dá tapas e quando ameaça dar eu já falo antes que é feio e ela faz carinho na gente. E as mordidas nunca mais aconteceram, nem mesmo na escola.
    Tudo depende do exemplo e de como corrigimos as atitudes de nossos filhos. Aqui sou meio rigída e não aceito comportamentos violentos. Sei bem o que isso pode virar no futuro se não for corrigido a tempo. Beijos

    ResponderExcluir
  5. eu tenho medo de passar por esse tipo de situaçao, e provavelmente irei passar, pois não sei como será minha reação não!
    tenho medo ate de machucar a criança pra defender minha filha, Deus me livre₢gtyh5 N

    ResponderExcluir
  6. Oi meninas ... eu era do tópico "amigas da tb"... a cymaria... Lembram ? Acompanheira cada história de vocês e fico muito feliz de ver que continuam unidas e felizes com os seus bebezinhos. Eu continuo na luta, passei por muita coisa e agora estou me preparando financeiramente para fazer minha FIV e logo logo estarei com boas noticias para trazer para vocês.
    Parabéns pelo Blog... está lindo !
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  7. Eu sou leoa mesmo, não mexe com minhas meninas....hihihihihi Isso é muito complicado, quem conhece a Maria Clara sabe como ela é doce e tranquila, o problema é que as outras crianças não são e acabam abusando da boa vontade dela e isso me tira do sério passo para ela que devemos respeitar o próximo, que cada um tem seu direito. Várias vezes em parquinhos ela perde a vez na fila do brinquedo porque furam a fila, deixa de brincar porque alguma criança não deixou, etc... e os pais das outras crianças nada falam e me sinto obrigada a intervir afinal de contas é minha flha. Esse tipo de criança não tem um pingo de educação, não tem limites? Essa história de que é criança não entende, pura balela porque é de pequeno que se educa senão no que essas crianças vão se transformar em mais jovens que queimam índio?
    Espero que o bochechão do fofo do Biel já esteja melhor!!!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...