segunda-feira, 13 de junho de 2011

Birra: normal ou preocupante? - by Alê



Quem já não presenciou alguma cena de birra de uma criança? Ou até mesmo de seu proprio filhote? Mamãe e papai, se ainda não aconteceu com vocês, preparem-se, pois ainda irão passar por isso. Anna Laura está hoje com 18 meses( fez ontem dia 12! Parabens meu amor!) e ela já dá alguns sinais de birra quando é contrariada, por exemplo quando não deixo ela subir na mesa, pegar alguma coisa ou comer algum doce fora de hora, ela chora e que se jogar no chão quando a pegamos. Tenho que me preparar pra certas situações, por isso resolvi falar sobre o assunto, pra me ajudar e ajudar vocês que passam e vão passar por isso.

Segundo a psicanalista infantil e familiar Anne Lise Scappaticci, a teima faz parte do comportamento infantil, elas aprendem desde cedo a arte de manipular pra conseguirem o que querem. E por mais aborrecidas que sejam as birras é normal acontecerem, tal como surge a fase dos dentes, também surge a fase dos caprichos.

E porque elas acontecem? 

As birras podem acontecer em qualquer fase, mas a sua época por excelência é entre um ano e meio e os três anos,(Pimba! Olha a idade da Anna Laura) nesta idade estão em construção os sentimentos de identidade, associados a uma vontade própria que começa a se manifestar, mas ainda sim, são pequenas e dependentes, e com isso vem as frustações de muitas vezes não puderem ter o que querem, não entedem dos limites que precisam ter e as explicações dos pais. As crianças, quando querem alguma coisa, querem imediatamente, agora, já. É muito difícil pra elas ter de esperar, não tem ainda a noção de tempo, de futuro e, quando não conseguem de imediato sofrem um terrível desgosto.

E é por isso que as birras acontecem e é normal acontecerem precisamente nesta idade. São, entre outras coisas, uma manifestação de uma maior independência, elas querem fazer as coisas à sua maneira e não como lhes pedem, ou seja, as birras estão relacionadas com processos de autonomia, mas o fato de serem normais não implica que sejam fáceis de suportar, principalmente se acontecem em público. Estas dependem, em parte, do temperamento, que é a parte inata da personalidade, algo que varia muito de uma crianças para outra, inclusivamente entre irmãos. 
 
A tendência que a criança tem para os caprichos resulta de uma combinação do seu temperamento inato e da educação que recebe, ou seja, da atitude que os seus pais têm a esse respeito. Pais são pais e não amigos. Podem ser pais amigos, mas nunca devem deixar de ser pais. Sempre existe uma vovó ou um vovô para satisfazer as crianças, seja como for.  
Mas o que fazer quando acontecer?

  • Primeira dica é dar um pouco de atenção, sem estender a bronca por horas. Você pode dizer que esse “não” é o jeito de conseguir o que ela quer e por causa disso não vai ter mesmo. E não fique assistindo ao espetáculo, a menos que a criança esteja se debatendo e corra o risco de se machucar.
  • Os pais precisam ser firmes, mesmo que o filho chore e fique com raiva deles. Se cedem a cada vez que ele fica desapontado, acabam criando uma pessoa que não suporta a frustração.
  • Não deve bater nem castigar,deve evitar a raiva e gritar mais alto que a criança. Também não é eficaz tentar o diálogo nesses momentos: a criança, embrenhada nas suas emoções, é pouco acessível ao diálogo quando está em pleno choro.
  • Antes de sair, previna-se de possíveis contratempos. Se vai ao supermercado, fale que a criança tem direito a escolher dois doces, por exemplo.
  • Avise seu filho que só conversará com ele depois que ele se acalmar, espere ele terminar de espernear para dar a bronca e diga por que ele está sendo punido. É importante que ela entenda o que fez de errado e, para isso, precisa estar tranqüila para conseguir ouvir o que você tem a dizer.
  • Não brigue com seu filho na frente de todo mundo; isso o fará se sentir humilhado.
  • Desvie o foco da criança. Mostre um objeto diferente, o cachorrinho passando na rua, o avião lá no céu... Use a criatividade! 
  • Algumas vezes, por trás da birra existe uma criança com fome, sono ou carente. Se for esse o caso, responda pacientemente e faça um carinho. Às vezes, é só disso que ela precisa.
  • Simplesmente ignorar a birra também pode dar bons resultados. Respire fundo.
  • Se não tiver como conter o show no meio da loja, simplesmente pegue seu filho no colo e vá embora. Sem escândalos. Ele vai perceber que não adiantou nada e você evita o constrangimento. 
Por mais difícil e irritante que esta fase seja, saiba que ela passa, e que a criança precisa de compreensão, explique e negocie sempre. Nunca deixe uma crise sem resposta, ou a criança vai se acostumar a não ter conseqüências para seus atos. 
Não fácil lidar com os escândalos protagonizados pelas crianças, mas os especialistas garantem: pais que sabem dizer não e sustentam essa posição têm mais chances de ajudar os filhos a lidar com as frustrações e ter uma vida mais feliz.

E seu bebê já está na fase de birras? Me conte.
Beijox, Alê




Fontes: Guia do bebê
            Crescer

10 comentários:

  1. Vixe, aqui em casa essa fase já comecou, e haja paciencia e maturidade pra lidar com isso né, tomara que passe logo! bjs

    ResponderExcluir
  2. Aqui em casa FH também começou os showzinhos dele. Aff, é duro né? Mas eu tô tentando cortar essa manha desde logo pra não se prolongar por muito tempo. Eu procuro não dar atenção e por enquanto tem funcionado.
    Beijos!!!!

    ResponderExcluir
  3. Me tranquiliza saber q todos passam por essa fase...A Isa tem se mostrado muito geniosa...e brava.....tenho q ter muita sabedoria p domar minha ferinha....tbem quero tentar cortar esse "mal" pela raiz sabe....pq acho criança birrenta muito feio!!

    ResponderExcluir
  4. aqui tambem ja começou, e na idade certa que todos os textos que li dizem que acontece! eu tambem to tentando cortar logo pela raiz, mas fazemos o certo aqui e quando chega na casa dos avós e tias tudo por agua abaixo! vai ser difiiicil por aqui!

    ResponderExcluir
  5. aqui as birras tem limites..a gente nem dá bola pra coisa nao crescer//////bjo bjoo

    ResponderExcluir
  6. Aiii
    aqui ainda não tem mtas birras, e espero que nem tenha mto!rs
    Tem que cortar logo no começo mesmo, e impor algumas regrinhas para dar fim a essas birras, e manhas!
    bjs

    ResponderExcluir
  7. Oiee minha mocinha fez ontem 1 aninho e SIM ela faz birra .... conversar ? como .... normalmente tento distrai-la ... como fazer mais se ela ainda não entende o que agente fala ....

    beijoss

    ResponderExcluir
  8. Sei bem o que é isso, penso que a birra também faz parte, mas cabe a nós adultos darmos um limite a isso. Não precisa bater, mas penso que ser firme é importante. Outra, se você disse que vai fazer tal coisa, é melhor cumprir, se não, perde o efeito. Por isso, procuro sempre ir remediando, ir encontrando uma solução mais eficaz!
    Bjks,
    Aretusa

    ResponderExcluir
  9. Aqui o bicho tá pegando também! A Rafaella se joga no chão, puxa o cabelo, bate a cabeça... fico em dúvida se devo ignorar a birra, pois ela se machuca sempre que faz isso. Tento conversar, explicar, distrair, mas tem horas que nada disso funciona! Tem que contar até 10 mesmo, pois a paciência não aguenta muito tempo não! Vida dura essa viu!

    ResponderExcluir
  10. Eu passei a maior vergonha do mundo com minha filha de 3 anos há uma semana atras. Ela deu uma birra horrorosa comigo dentro Da igreja porque eu nao a deixei subir no banco. Todo mundo olhando e ela gritando, tentei ficar calma, chamava ela pra ir embora e aí que ela gritava. Respirei, peguei ela a forca e fui embora com ela se debatendo no meu colo. Fiquei com raiva demais, nao dei conta de segurar e bati nela quando estávamos dentro do carro pra ir embora pra casa...que situação viu!!!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...